Labels

sexta-feira, 7 de março de 2014

Deputado federal Sérgio Guerra morre em SP e é cremado em Recife

Antes da cremação, familiares e amigos participaram de celebração religiosa (Foto: Débora Soares/G1) 
Antes da cremação, familiares e amigos participaram de celebração religiosa (Foto: Débora Soares/G1)
 
O deputado federal Sérgio Guerra, 66 anos, estava internado há cerca de 15 dias no hospital Sírio-Libanês em São Paulo onde estava tratando de um câncer de pulmão e veio a óbito ontem, segundo os médicos, uma pneumonia agravou seu estado de saúde. Segundo nota divulgada pelo Sírio-Libanês, o ex-presidente do PSDB morreu "em decorrência de complicações relacionadas a um quadro infeccioso".

O corpo de Guerra foi velado na Assembleia Legislativa de Pernambuco e foi cremado no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, no Grande Recife no dia de hoje. Bandeiras do Brasil e de Pernambuco estavam sobre o caixão dele, que antes de seguir para a cremação, foi levado a uma capela, onde parentes, amigos e políticos participaram de uma missa fechada e prestaram as últimas homenagens. As cinzas ficarão armazenadas em uma urna escolhida previamente pela família, que receberão o objeto em um prazo de até 5 dias úteis.

Corpo de Sérgio Guerra deixa plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Foto: Katherine Coutinho / G1) 
Corpo de Sérgio Guerra deixa plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco sob aplausos (Foto: Katherine Coutinho / G1)

Passaram pelo velório de Guerra, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB); o ex-governador de São Paulo e um dos líderes nacionais da legenda, José Serra; o senador Aécio Neves (PSDB); o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo (PCdoB); o prefeito do Recife, Geraldo Júlio; o vice-prefeito, Luciano Siqueira (PSB); o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB); o deputado federal Raul Henry (PMDB); o presidente da Alepe, deputado Guilherme Uchôa (PDT) e a deputada estadual Terezinha Nunes (PSDB).

Perfil de Guerra

Economista, Sérgio Guerra filiou-se ao PMDB em 1981 e, no ano seguinte, foi eleito deputado estadual. Em 1986, pelo PDT, reelegeu-se para novo mandato.

Em 1989, filiou-se ao PSB e ocupou os cargos de secretário estadual de Indústria Comércio e Turismo, e de Ciência e Tecnologia no governo Miguel Arraes. Foi eleito deputado federal em 1990, reelegendo-se em 1994 e 1998.

Guerra reassumiu, entre 1997 e 1998, a Secretaria de Indústria e Comércio, no último mandato de Miguel Arraes. Em 1999, deixou o PSB e se filiou ao PSDB. O ex-presidente do PSDB participou do primeiro governo Jarbas Vasconcelos, ocupando a Secretaria Extraordinária.

Ele se tornou senador por Pernambuco, em 2002. Na disputa presidencial de 2006 foi coordenador da candidatura ao Planalto do então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Em 23 de novembro de 2007, Guerra foi eleito presidente do PSDB, substituindo o ex-senador Tasso Jereissatti (CE). Ele permaneceu à frente do partido até 2013, sendo sucedido no comando da sigla pelo senador Aécio Neves (MG).

Em 2010, ao final de seu mandato como senador, Sérgio Guerra disputou novo mandato de deputado federal e foi eleito. De acordo com a Câmara dos Deputados, André Carlos Alves de Paula (DEM-PE), primeiro suplente da coligação (PMDB-PPS-DEM-PMN-PSDB), deve assumir o mandato do tucano na Casa. Fonte: G1

0 Comentários:

Postar um comentário

Obrigado por sua visita!